Hospital São Luiz afasta médico denunciado por violência durante parto. Criança morreu

Compartilhe

O  médico obstetra Jarbes Balieiro Damasceno, foi afastado de suas funções pelo Hospital São Luiz, em Cáceres, após denúncia de maus tratos a uma parturiente. O fato ocorreu no último dia 30, quando a dona de casa Rosa Maria Martins Pires, de 27 anos, deu entrada na unidade, já em trabalho de parto, para ter seu terceiro filho. Ela foi internada através do SUS-Sistema Único de Saúde.

Devido aos maus tratos, a criança, uma menina, precisou ser reanimada após nascer, e morreu no último domingo,5. A mãe teve hemorragia interna e corria risco de morrer. Segundo a direção do hospital, o quadro da mãe foi revertido, ela passou por uma cirurgia e sobreviveu. Na tarde de ontem,6, ela depôs na Delegacia Especializada em Defesa da Mulher.

O marido dela, Roni Willian Cuiabano do Couto, registrou ocorrência na Polícia Civil e fez denúncia junto ao Ministério Público Estadual.

O casal mora na localidade do Facão, a dez km de Cáceres. Uma irmã de Roni, Carmem Regina Cuiabano do Couto, contou que a cunhada entrou em trabalho de parto por volta de 9 horas do dia 30, passando por consulta com o médico. Às 15, fez exame de ultrassom. No exame foi constado que ela estava sem líquido amniótico- justamente o líquido responsável também por proteger o feto de movimentos bruscos. Ela teria que passar por uma cesariana, segundo indicou o médico radiologista. “Mas o obstetra disse que seria parto normal”- narra a cunhada. “Ela ficou tomando soro e sentindo dores até às 21 horas, quando a cabecinha do bebê “coroou”, já podendo ser vista”.

 O ABSURDO:

Foi nesse horário que, segundo a denúncia, o médico empurrou a cabeça da criança de volta, porque uma enfermeira teria dito que o local não poderia ser sujo de sangue. Apenas duas horas após isso, as onze da noite, a parturiente foi encaminhada para o centro cirúrgico, onde teve a barriga pressionada por integrantes da equipe de obstetrícia para forçar o parto normal. Com a violência os pontos da cesárea feita para ele ter o filho anterior estouraram. Ela teve hemorragia interna e foi levada para a Unidade de Tratamento Intensivo. A menininha, que recebeu o nome de Vitória, também foi encaminhada para a UTI após ser reanimada, mas morreu no domingo. No boletim o marido narra que sua esposa sofreu também agressões verbais durante todo o processo. O obstetra Jarbes perguntava se ela queria que ele parisse no lugar dela, e que ela era muito “mole”.

O caso será investigado pela Polícia Civil. Extra-oficialmente a reportagem apurou que há imagens da violência sofrida pela mulher, flagradas por câmeras do hospital.

O HOSPITAL:

O diretor do Hospital São Luiz, Mario Kaoru, afirmou ao Diário de Cáceres que “infelizmente tudo levar a crer que a denúncia é verdadeira. É triste, é lastimável”-disse ele. O médico foi afastado, a equipe de obstetrícia que atendeu com ele teve o contrato de trabalho suspenso, uma sindicância foi aberta e o Conselho Regional de Medicina de Mato Grosso será notificado. “Após as investigações da comissão de ética responsável pela sindicância vamos tomar as providências que forem cabíveis”.

O relato do ocorrido foi parar em grupos de  watshapp e na rede social, onde as pessoas não param de se manifestar em apoio à família e pedindo providências.

 

Manifestações:

"Muita (sic) triste e revoltante o que aconteceu no hospital São Luiz no último dia 30 onde uma gestante chegou pra ter o seu bebê e foi torturada na hora do parto pelo o Dr jarbes que muito nervoso por terem acordado ele pra fazer o parto que ele recusou fazer cesariana pediu pra equipe do Centro cirurgico subirem na barriga da mãe já desmaiada forçando o bebê nascer causando vários danos a mãe que precisou fazer uma cirurgia de emergência porque tava tendo hemorragia interna , a bebezinha lutou 5 dias pela a vida ,más a morte foi mais forte no domingo ela não resistiu e veio a óbito. Esse hospital tem um selo amigo da criança, agora eu pergunto a vcs,que amigo é esse que quebra as crianças, matam os bebês maltratam as mãezinhas e ninguém faz nada ?cadê a direção desse hospital que não faz nada? Pessoal vamos compartilhar pra que esse fato não volta acontecer que alguma autoridade toma as devidas providências e que esse médico vai pra cadeia porque não é o primeiro caso que acontece, e até hoje não foi feito nada a direção abafa o caso.vamos compartilhar"

 

"Soube de mais um caso de negligência médica com gestantes (internadas pelo SUS) no Hospital São Luiz. Até quando isso, autoridades?"


fonte: Diário de Cáceres/Clarice Navarro

Geral Imprimir